Antes de tudo, o período do desenvolvimento é uma das fases mais importantes da vida de qualquer pessoa. Afinal, nessa etapa ocorrem as descobertas e a formação de habilidades e competências que serão decisivas na aquisição da autonomia de tais funções. Dessa forma, olhar com atenção para ações iniciais é algo fundamental com o objetivo de potencializar a criança frente aos desafios surgidos.

Nesse sentido, professores, terapeutas e familiares têm uma missão indispensável na condução dos pequenos em tal contexto. Por isso, o estímulo deve acontecer a todo tempo com a função de levar o aperfeiçoamento de atividades e outras tarefas às crianças.

A psicomotricidade na infância

Inicialmente, a psicomotricidade é um campo de estudo responsável por analisar e investigar o desenvolvimento da criança sob o aspecto motor e psíquico. Porém, sua importância para a vida de uma pessoa se mostra como algo bem maior do que uma simples definição.

Assim sendo, a psicomotricidade representa uma ponte que liga a criança ao aprendizado. Em outras palavras, o processo de aprendizagem depende do aspecto psicomotor para que as principais habilidades referentes ao desempenho pedagógico fiquem bem definidas.

Isso significa que quando o pequeno apresenta desenvolvimento psicomotor com o rendimento abaixo do esperado, práticas como a leitura, a escrita, a ordenação silábica e a direção gráfica ficam comprometidos. Além disso, a má constituição da psicomotricidade interfere também no pensamento abstrato e lógico; análise gramatical, etc.

Inclusive, outra constatação é que se o aluno demonstra dificuldade de aprendizagem, certamente seu desenvolvimento psicomotor apresenta alguma deficiência. Portanto, é possível perceber como esses fatores estão intimamente interligados. Por isso o acompanhamento por parte de educadores é tão importante para que o aspecto psicomotor seja aprimorado.

Que atividades psicomotoras podem ser aplicadas?

As brincadeiras/atividades colocadas abaixo são apenas algumas diante de várias que podem ser utilizadas em sala de aula, em outros espaços da escola ou até mesmo em casa – no contexto das aulas remotas. Com isso, seguem as dicas que podem ajudar o seu planejamento com as crianças.

– Corda

Primeiramente, quem nunca pulou corda uma vez na vida? Vocês conhecem outra atividade com o objeto? É verdade que algumas pessoas apenas tentam pular e não levam a brincadeira adiante. No entanto, existem outras formas tão legais quanto. Os benefícios da corda são enormes, frente ao aspecto psicomotor e ao desenvolvimento do pequeno.

Para se ter uma ideia, a atividade com a corda ajuda a criança a desempenhar algumas das principais funções necessárias à sua autonomia. Assim sendo, elas são as seguintes: esquema corporal, equilíbrio, tônus muscular, coordenação motora e orientação espacial e temporal.

Com todas essas possibilidades, os professores (e os pais também) podem propor atividades que usem e abusem da criatividade. Dessa forma, uma dica é colocar a corda no chão e pedir que os alunos tentem se equilibrar sobre ela. Porém, a corda deve estar reta e esticada. Além disso, as crianças devem estar descalças e abrir os braços para facilitar a busca pelo equilíbrio.

– Pega-pega

A clássica brincadeira pega-pega parece não ter outra utilidade que não seja aumentar a energia das crianças. No entanto, uma das atividades mais desejadas pela criançada na hora do recreio também tem a função valiosa de estimular a coordenação motora global dos pequenos.

Aliás, o pega-pega também é excelente para incentivar o raciocínio, pois enquanto a criança corre, ela decide quem está mais próximo e resolve por tomar atitudes que exigem agilidade. Dessa forma, tanto o intervalo como as aulas de educação física podem ser grandes aliadas na busca pelo desenvolvimento do pequeno.

– Corrida do Saci

Aqui está uma das tarefas mais interessantes. Afinal, a dinâmica da chamada corrida do Saci exige que a criança pule de um pé só. Com isso, fatores como equilíbrio, coordenação motora e velocidade são constantemente testados enquanto a brincadeira acontece.

Assim, o acompanhamento de um adulto é essencial para mediar a atividade. Com efeito, ele deve ser responsável por traçar um ponto de chegada e avaliar qual criança não conseguiu completar o percurso. Quem não termina a corrida pode pagar uma prenda, como uma dança, por exemplo. Dessa maneira, todo mundo entra na atividade e ninguém sai ‘perdendo’.

Dentre as atividades, também podemos destacar corrida com fitas coloridas (sem deixar tocar o chão), montagem de quebra-cabeça gigante no chão, jogar bolas de ar para o alto, etc.

Quais elementos são importantes para a psicomotricidade?

Para que o aspecto psicomotor funcione de maneira plena, alguns elementos são essenciais. Antecipadamente, eles constituem um conjunto indispensável para o bom funcionamento do corpo e da cognição da criança. São eles:

– Estruturação corporal;

– Esquema corporal;

– Orientação temporal;

– Pré-escrita

– Laterialidade.

Por fim, é importante salientar que as brincadeiras/atividades têm a função que vai além de promover a interação social dos pequenos. Elas ajudam as crianças a descobrirem novas possibilidades com suas habilidades e competências.

Quer saber mais sobre psicomotricidade? Não deixe de nos acompanhar.

Referências

Psicanálise Clínica. Atividadespsicomotoras: as principais por faixa etária. 2020.

Rhema Educação. Como a psicomotricidade pode ajudar seu aluno no ensino aprendizagem. 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome