Olá professor tudo bem?

Na semana da conscientização do autismo, nós não poderíamos deixar de abordar sobre este Transtorno que merece e muito ser compreendido!

TEA: SAIBA IDENTIFICAR OS PRIMEIROS SINAIS E CONHEÇA ESTRATÉGIAS PARA O AUTISMO LEVE.

“…Nossa se você não falasse eu não saberia que ele(a) é uma criança TEA!” Muitos casos identificar uma criança TEA Leve, é um desafio, pois geralmente elas possuem aparentemente um comportamento cognitivo normal ou até mesmo muito fácil de ser confundido com Hiperatividade, eis aí um desafio para o professor:

Como saber identificar estes sintomas?

Os Transtornos do Espectro Autista (TEA) é um transtorno de desenvolvimento que afeta de forma significativa a capacidade de interação social, as habilidades de comunicação social e comportamentos antissociais com repetições e interesses sem conexões com o contexto.

Os sintomas variam de intensidade de criança para criança e podem se apresentar desde traços discretos até severos, e a identificação pode ser facilitada e dificultada de acordo com a amplitude dos sintomas.

O autismo leve não tem cura e pode ser diagnosticado em qualquer fase da vida, mas geralmente descobre-se na infância, quando a criança apresenta algumas características do autismo, que podem ser observadas pelos familiares ou professores, por exemplo.

Os primeiros sintomas do autismo leve podem ser observados quando a criança, entre os 3 e 5 anos de idade, já apresenta dificuldades no relacionamento, na fala e na interação com outras pessoas.

Quais os sinais para observar?

O autismo leve pode afetar uma destas três áreas:

A COMUNICAÇÃO: Um dos sinais que pode indicar que a criança tem autismo é ter problemas na comunicação com outras pessoas, como não conseguir falar corretamente, dar uso indevido às palavras ou não saber expressar-se utilizando palavras.

O CONVíVIO SOCIAL: Outro sinal muito característico do autismo é a existência de dificuldades para socializar com outras pessoas, pouco disposto a se socializar e tende a se isolar ou brincar do seu jeito sem flexibilizar de acordo com o que o amiguinho pede ou quer e pouco responde ao ser chamado pelo seu nome.

COMPORTAMENTO: é comum que neste caso, a criança TEA tenha um comportamento diferenciado das outras crianças, com padrões repetitivos, falas mecanizadas aparentemente, riso inapropriado, não ter, aparentemente, medo de situações perigosas, e dentre outros, os acessos de raiva.

Os autistas leves geralmente são muito inteligentes e extremamente sensíveis a mudanças inesperadas. O diagnóstico do autismo leve pode ser feito sempre pelo especialista, mas os primeiros sintomas como já mencionamos é sempre notado pelos familiares e professores. Por este motivo, conhecer estes sintomas e comportamentos é indispensável para o professor da educação infantil.

É importante relatar que alguns fatores podem atrapalhar sua identificação. A presença de hiperatividade, por exemplo, pode confundir a escola e o especialista, pois inquietude excessiva pode passar a impressão de que a criança não seja autista, mas sim TDAH.

3 ESTRATÉGIAS PARA TRABALHAR COM ALUNO TEA LEVE

Interesses e motivação

Identifique os interesses e motivações do aluno – use esses interesses e motivações para despertar a atenção para as atividades, para facilitar o engajamento nas tarefas e para manter o aluno focado numa tarefa quando a classe estiver mais agitada.

Enfatizar as habilidades escolares

É importante situações cooperativas onde suas habilidades de leitura, vocabulário, memória e outras sejam vistas como interessantes pelos colegas, aumentando dessa forma sua aceitação.

Oferecer rotinas diárias consistentes

A criança precisa entender cada rotina do dia e saber o que a espera, para poder se concentrar nas tarefas. Mudanças repentinas levam ao stress, raiva, medo e explosões que precisam ser evitadas. É importante ensinar regras para a criança se controlar.

Existem muitas outras estratégias a serem trabalhadas, mas o ideal é que o aluno possa se sentir bem no ambiente escolar, e as vezes o professor ajudar com a companhia de um amiguinho mais sensível, manter a calma e a paciência, pois deverá ensiná-las até as coisas que parecem mais óbvias.

O professor pode ter um significado vital em ajudar a criança TEA leve a aprender a negociar com o mundo ao seu redor, facilitando o sucesso escolar, mas também ajudá-la a sentir-se menos alienada de outros seres humanos e menos sobrecarregada pelo dia-a-dia.

Muitos são os desafios para o professor devido a esta forte importância que ele possui na vida de seu aluno TEA, e para isto é necessário sempre a busca pela informação atualizada e prática.

O Grupo Rhema preparou uma capacitação on-line que abrange este e outros temas dentro do TEA, com duas mestras na área, basta CLICAR AQUI e conhecer este curso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome